SWOT Pessoal, você sabe para que serve?

SWOT Pessoal, você sabe para que serve?

18 de julho de 2020 Introspecção e Motivação 0

Quais são os meus pontos positivos e quais negativos?

Por João Paulo Machado

Olá meus caros amigos, tudo bem com vocês? Espero que sim, hoje eu resolvi falar um pouco sobre SWOT! Isso mesmo, esta palavra estranha que poucas pessoas conhecem, ela é mais utilizada no meio da Gestão, seja comercial, administrativa, financeira, marketing ou de pessoas, mas hoje eu não irei falar sobre empresas ou empreendedorismo, e sim, em como ser uma pessoa melhor, ser uma pessoa empática, compreensiva, sem medo de errar e amorosa, vamos lá?

Vamos começar por uma parte que acho primordial em tudo, a conversa com você mesmo, calma, não me ache maluco ainda, pois precisamos nos conhecer primeiro, veja, para que possamos crescer e sermos pessoas melhores, temos que entender quem somos, e isso não é tão difícil assim de ser feito, uma introspecção pode ajudar muito a melhorar seus hábitos e buscar ser uma pessoa mais dedicada com tudo que faz, a primeira parte para isso é entender seus pontos positivos e negativos, muitas pessoas têm medo de mexer nesta área da vida, porque temos vergonha de olhar os nossos próprios defeitos ou como posso dizer, fracassos, porém, o fracasso não é algo ruim, é algo bom! A questão é que olhamos para o fracasso como algo que está ligado a falta de capacidade, acreditação, tolice, desperdício de tempo e vida, inferioridade e principalmente falta de criatividade!

Porém, muitas pessoas não entendem que fracasso é um ponto positivo na sua caminhada! Para entender isso, precisamos ir direto ao ponto, vamos analisar quem somos primeiro, para que tenhamos uma ideia da onde podemos começar a alcançar nossos objetivos, para isso, vou citar aqui um livro muito bom, se chama Gente de Resultados de Eduardo Ferraz – segunda edição, neste livro Eduardo Ferraz conta um pouco da sua história na gestão de pessoas, e com isso trouxe uma adaptação do SWOT para ser aplicado na vida pessoal.

A análise SWOT foi criado por Albert Humphrey em um projeto da Universidade de Stanford, a ideia inicialmente era para um planejamento estratégico de empresas de qualquer porte e em qualquer ramo, Ferraz então adaptou a ideia e apresentou da seguinte forma, e iremos usar ela aqui para nós ajudar, veja:

Primeiramente, precisamos ser muito honestos com tudo aqui, é indispensável uma autocrítica realista e sincera dos quatros pontos a seguir, para que você tenha um diagnóstico preciso.

  1. FORÇAS – Quais são seus pontos fortes? Qual é a parte positiva de seu estilo de vida? O que você faz de melhor? O que seus amigos, familiares e conhecidos admiram em você?
  2. FRAQUEZAS – Quais são seus pontos fracos? Qual é a parte negativa de seu estilo de vida? O que você menos gosta de fazer? O que seus amigos, familiares e conhecidos criticam em você? O que precisa mudar em você com mais urgência?
  3. OPORTUNIDADES – Quais oportunidades você teria para melhorar sua pessoa? Pode ser um curso ou um estudo, treinamento ou uma terapia, pedir ajuda para estudar algum assunto! Ler mais livros? Passar mais tempo se dedicando a realizar atividades que venham agregar cultura e conhecimento? Escutar mais as pessoas?
  4. AMEAÇAS – São situações que prejudicam sua pessoa, seja como amigo(a), filho(a), irmão(ã) etc… pode ser um amigo ou amiga próxima que não te ajuda a estudar, algum problema financeiro, pessoas negativas próximas a você? Vícios em jogos, álcool, fumos ou qualquer outro tipo? O que ameaça a sua integridade emocional?

Agora precisamos entender um pouco sobre isso, veja que Forças e Fraquezas tem relação com situações que dependem mais de você, enquanto oportunidades e ameaças são situações que envolvem outras pessoas ou condições externas da sua vida, na adaptação de Ferraz alguns casos de oportunidades e ameaças vão depender tanto de você quanto ao ambiente externo da sua vida.

A análise é prática e simples, basta responder às perguntas acima e após isso, responda estas perguntas:

  1. O que posso fazer para potencializar minhas qualidades? (FORÇAS)
  2. O que posso fazer para neutralizar ou atenuar minhas questões difíceis de lidar? (FRAQUEZAS)
  3. O que posso fazer para aproveitar melhor as oportunidades? (OPORTUNIDADES)
  4. O que posso fazer para lidar com as ameaças que me cercam? (AMEAÇAS)

E por último, crie para você um objetivo, buscar melhorar sua pessoa, por meio das seguintes metas: Quando fará? E como fará? Estabeleça isso, e comece a sua introspecção, enquanto isso, vamos praticar algumas mudanças gerais em nossa rotina, passando a ser mais calmo, observando as pessoas e escutando mais.

“Quem quiser ser líder deve ser primeiro servidor. Se você quiser liderar, deve servir. – Jesus Cristo” Citação em O Monge e o Executivo.

Em O Monge e o Executivo, James C. Hunter, nos traz uma linda e intrigante história de introspecção que devemos seguir, seja na vida pessoal ou nos negócios. O Personagem de John, intrigado com o personagem do Greg um militar arrogante, que vive interrogando e criando opiniões contrárias, querendo criar divisões, é posto a uma avaliação por John e o Monge em uma certa manhã, onde para a surpresa de John, após pedir ao monge que mandasse Greg embora, o Monge explicou que pessoas assim, são importantes em nossas vidas.

A lição que podemos tirar aqui, é entender que precisamos servir e não ser servidos, quanto mais pessoas críticas em nossa volta, mais oportunidades de mudanças para melhor teremos, não devemos impor mudanças nas pessoas e sim mudar-nos, não para atende-las, mas para compreende-las e buscar em uma reflexão aprender a ser uma pessoa melhore, visualizando a crítica como um caminho mais rápido para atingirmos nossos objetivos.

Certos casos, nós não criamos a escuta e a empatia, buscamos condições para resolver nossos problemas ou dar conselhos de forma rápida, sem escutar e entender o outro, e sendo assim, acabamos fazendo isso em nossas vidas também, realizar uma autocritica é importante para que possamos entender os processos que temos de empatia e como aproveitamos as oportunidades, entenda, que todos nós somos diferentes, mas antes de tudo, precisamos observar, e perceber que o crescimento pessoal é uma tarefa incrível, não difícil, mas antes entender que fracasso significa que você ainda não teve o seu êxito, que você teve muito otimismo, estava disposto a tentar, e se possível, fazer algo diferente do que fez, significa que não é perfeito, e sendo assim tem muitos motivos para começar de novo!

Precisa lutar com mais afinco, pois vai precisar de um pouco mais de tempo, e principalmente, Fracasso não significa que Deus te abandonou, mas que Ele tem uma ideia melhor de como fazer! Então anule este medo que sente do Fracasso, busque sua criatividade, faça a analise SWOT e vamos em frente, a vida é uma só! Eu fico por aqui e espero te ver na próxima leitura! Até mais pessoal!

Fonte:

Luz, Daniel C. – Insight / Daniel C. Luz. – São Paulo: D. C. Luz, 2001 – DVS Editora

Hunter, James C. – O monge e o executivo / James C. Hunter; tradução de Maria da Conceição Fornos de Magalhães. – Rio de Janeiro: Sextante, 2004

Ferraz, Eduardo – Gente de resultados: manual prático para formar e liderar equipes enxutas de alta performance / Eduardo Ferraz. – São Paulo: Planeta do Brasil, 2018.

Covey, Stephen R., 1932 – Os 7 hábitos das pessoas altamente eficazes / Stephen R. Covey; tradução: Alberto Cabral Fusaro, Márcia do Carmo Felismino Fusaro, Claudia Gerpe Duarte e Gabriel Zide, consultoria: Teresa Campos Salles. – 62ª ed. – Rio de Janeiro: BestSeller, 2017.

Imagens: Pexels.com

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *